Floripa News
Cota??o
Florian?polis
Twitter Facebook RSS

Análise diaria mercado agricola milho soja açucar

Publicado em 31/10/2020 Editoria: AgroNews Comente!


CORN - MILHO

Os preços internacionais do milho futuro permanecem operando em campo misto na Bolsa de Chicago (CBOT) nesta sexta-feira. As principais cotações registravam flutuações entre 1,50 pontos negativos e 0,25 pontos positivo por volta das 11h38 (horário de Brasília).

 

Segundo informações da Agência Reuters, a demanda de exportação está ajudando a estabilizar os preços depois que o contrato mais ativo na quinta-feira caiu para seu preço mais baixo desde 14 de outubro.

 

“O milho americano ainda é o mais barato do mundo e isso deve continuar sustentando os preços do milho no longo prazo”, disse Tomm Pfitzenmaier, analista da Summit Commodity Brokerage.

 

O Major Feedmill Group da Coréia do Sul comprou cerca de 131.000 toneladas de milho dos Estados Unidos e de origens opcionais em um acordo privado na sexta-feira, sem lançar um leilão internacional, disseram traders europeus.

 

 

miho  
       
  B3 (Bolsa)    
nov/20 81,3 -0,25%  
jan/21 81,95 -0,35%  
mar/21 81,1 0,12%  
mai/21 74,45 -2,68%  
Última atualização: 18:00 (29/10)  

 

As desvalorizações seguem presentes nos preços futuros do milho nesta sexta-feira (30) na Bolsa Brasileira (B3). As principais cotações registravam movimentações negativas entre 2,22% e 2,47% por volta das 11h42 (horário de Brasília).

 

O vencimento novembro/20 era cotado à R$ 79,68 com perda de 2,23%, o janeiro/21 valia R$ 80,22 com queda de 2,46%, o março/21 era negociado por R$ 79,00 com desvalorização de 2,47% e o maio/21 tinha valor de R$ 72,80 com baixa de 2,22%.

 

INDICADOR DO MILHO ESALQ/BM&FBOVESPA (Mercado)  
  VALOR R$ VAR./DIA VAR./MÊS VALOR US$  
29/10/2020 82,55 -0,15% 29,73% 14,35  
28/10/2020 82,67 1,46% 29,92% 14,4  
27/10/2020 81,48 2,27% 28,05% 14,36  
26/10/2020 79,67 1,08% 25,21% 14,16  
23/10/2020 78,82 1,93% 23,87% 14,01  

De acordo com análise da Agrifatto Consultoria, este é o terceiro dia consecutivo de baixas para os contratos do cereal brasileiro na B3. Na última quinta-feira, as principais referências tiveram perdas maiores do que 2%.


SUGAR - AÇUCAR

Os contratos futuros do açúcar bruto negociados na ICE tiveram forte queda à medida que novos “lockdowns” na Europa pressionavam as cotações do petróleo e outras commodities.

Corretores também citaram a liquidação de posições compradas por fundos, que buscam reduzir a exposição antes da eleição presidencial dos Estados Unidos.

O contrato março do açúcar bruto fechou em queda de 0,49 centavo de dólar, ou 3,3%, a 14,40 centavos de dólar por libra-peso. O vencimento de primeiro mês havia atingido uma máxima de oito meses na terça-feira, a 15,04 centavos.

             
INDICADOR DO AÇÚCAR CRISTAL ESALQ/BVMF - SANTOS  
  VALOR R$ VAR./DIA VAR./MÊS VALOR US$    
29/10/2020 100,39 0,03% 13,41% 17,46    
28/10/2020 100,36 1,20% 13,38% 17,48    
27/10/2020 99,17 0,21% 12,03% 17,48    
26/10/2020 98,96 1,58% 11,79% 17,59    
23/10/2020 97,42 1,53% 10,05% 17,31    
Nota: Reais por saca de 50 kg, com ICMS (7%) .        
  media R$ 99,26        
  valor saco $ 17,23        
  valor ton $ 344,65  porto santos - FAS - icmusa 130 - 180  
                          com 7% icms    

Operadores disseram que há novas preocupações com a demanda, especialmente na Europa, já que no início deste ano a imposição de “lockdowns” em todo o mundo afetou o consumo de açúcar. Eles também afirmaram que é provável que fundos estejam liquidando parte de sua enorme posição comprada antes das eleições norte-americanas.

“Isso faz parte de uma aversão geral ao risco entre os donos do dinheiro, especialmente com os novos ‘lockdowns’. O petróleo também não parece estar muito bem”, disse um corretor nos EUA.

A produtora francesa de açúcar Tereos acredita que grande parte dos amplos estoques do adoçante que estão em armazéns no Brasil já foi vendida e será exportada em breve.

O açúcar branco para dezembro recuou 10 dólares, ou 2,5%, para 386,60 dólares a tonelada.

 

SOYBEAN - SOJA

O mercado da soja volta a subir na Bolsa de Chicago nesta sexta-feira (30) depois de duas baixas consecutivas e intensas. Por volta de 8h50 (horário de Brasília), as cotações subiam entre 5,50 e 9,50 pontos, levando o novembro a US$ 10,57 e o janeiro, US$ 10,59 por bushel. 

SOJA - CME - CHICAGO  
CONTRATO US$/bu Variação (cts/US$) Variação (%)  
nov/20 10,5175 -5,5 -0,52  
jan/21 10,505 -4,25 -0,4  
mar/21 10,4025 -1,5 -0,14  
mai/21 10,3625 -0,25 -0,02  
Última atualização: 16:00 (29/10)    

O USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), nesta sexta-feira (30), informou uma nova venda de soja de 121,5 mil toneladas para destinos não revelados. Ao longo da semana, mais anúncios foram feitos pelo órgão, confirmando a intensidade da demanda pelos produtos norte-americanos e a força que o atual momento têm na sustentação das cotações da oleaginosa na Bolsa de Chicago. 

"Apesar da tentativa de reverter o pessimismo da semana, especialmente aquele ligado à segunda onda de Covid-19 e a recuperação econômica global, ainda há incertezas nos próximos dias que podem deixar investidores na defensiva", explica Steve Cachia, consultor de mercado da Cerealpar e da TradeHelp.

Ao lado do financeiro, o mercado se atenta ainda a seus fundamentos com o melhor avanço do plantio no Brasil diante da chegada de chuvas mais regulares, além da demanda intensa pelos produtos norte-americanos, o que traz equilíbrio ao mercado. 

Mais do que isso, há ainda a questão das eleições norte-americanas, o que também pesa diretamente sobre o andamento dos mercados. 

"Em todo caso, sendo véspera de final de semana e mês, e com o resultado das eleições americanas podendo ir para qualquer lado, o cenário mais provável para hoje parece ser uma tentativa de rally durante o dia e proteção no final do do dia", completa Cachia.

Mas o principal motivo do recuo nas cotações foi o forte tombo nos valores do petróleo (atingiu seu nível mínimo em quatro meses na Bolsa de Nova York), motivado pelo recrudescimento da segunda onda de contágio da Covid-19, na Europa em especial. A nova paralisação das economias europeias, com tendência a se estender para outras partes do mundo, começa a preocupar novamente os mercados. Na Alemanha, a Bolsa de Valores registrou seu pior desempenho desde junho passado. Novos lockdowns nestes países começaram a ser praticados nesta semana.

  soja US$ 5,76  
         
  B3 (Bolsa)      
CONTRATO US$/sc R$/sc VAR  
nov/20 23,23 133,8048 -0,68%  
         
Última atualização: 13:42 (29/10)  
         

Esta situação provocou um movimento generalizado de venda de contratos de commodities já que os mesmos estão particularmente em mãos dos Fundos especulativos. Soma-se a isso as eleições presidenciais nos EUA, previstas para o dia 03/11, e a possibilidade concreta de Donald Trump perdê-la, não se reelegendo, fato que mudaria a política econômica estadunidense.

Em relação ao petróleo, membros da OPEP e Rússia, diante da segunda onda da pandemia, sinalizam preocupação quanto a possibilidade de não haver demanda para toda a produção do “ouro negro” que está sendo realizada no momento. Esta instabilidade acabou elevando o valor do dólar, como valor refúgio, desvalorizando ainda mais as demais moedas mundiais, dentre elas o Real (a que mais se desvalorizou neste ano). No caso da moeda brasileira, a mesma se aproximou dos R$ 5,80 por dólar no final da semana, valor que não era visto desde maio passado. 

Pelo lado da demanda mundial, a China aponta que importou 51,4% a mais de soja do Brasil em setembro, em relação ao mesmo mês do ano anterior. O total importado pela China em setembro foi de 7,25 milhões de toneladas de soja brasileira. No total, as compras de soja em setembro somaram 9,8 milhões de toneladas, ou seja, 19% sobre o total adquirido um ano antes. Esta forte demanda chinesa, como já é sabido, se dá em função de que as indústrias esmagadoras da China estarem produzindo em grandes volumes, já que o plantel suinícola local, após a peste suína africana, vem se recompondo rapidamente neste ano de 2020.

Por sua vez, os estoques de soja na China recuaram para 7 milhões de toneladas na semana do 18/10, após atingirem o pico de 8 milhões de toneladas no início de  setembro. Já os estoques de farelo de soja estavam em 937.900 toneladas, contra o recorde de 1,27 milhão de toneladas no início de setembro.

SOJA - PREMIO  
CONTRATO VALOR  
out/20 200  
nov/20 210  
fev/21 115  
mar/21 85  
Última atualização: 26/10/2020  
     

O volume semanal de esmagamento de soja da China atingiu uma nova alta histórica de 2,2 milhões de toneladas na semana passada, reduzindo os estoques para o menor nível em quatro meses, à medida que a recuperação do rebanho suíno do país garantiu que a demanda de soja permanecesse robusta. A informação é da TF Agroeconômica. 

“O volume de esmagamento subiu 130.000 t na semana e foi quase meio milhão de t mais alto no ano, mostraram dados do Centro Nacional de Informações sobre Grãos e Petróleo da China (CNGOIC) nesta quinta-feira. As vendas líquidas de exportação de soja dos EUA para a semana que termina em 22 de outubro caíram para o menor nível desde o início do ano de comercialização atual, à medida que os volumes de exportação subiram na semana passada, de acordo com o USDA na quinta-feira. As vendas líquidas totalizaram 1,62 milhão de t na semana passada, queda de 27% em relação à semana anterior e 35% abaixo da média anterior de quatro semanas”, comenta. 

A China foi o principal destino tanto para as vendas líquidas quanto para as exportações durante a semana, com números para o primeiro em 1,07 milhão de toneladas e o último em 1,94 milhão de toneladas. “A venda no mercado de petróleo bruto continuou com o benchmark do WTI caindo quase 4% no dia para US $ 35,85/bbl, que combinado com taxas de fretamento mais baixas para embarques de navios a granel seco no último trimestre deste ano para puxar os preços de frete de transporte US$ 2-4 /t mais baixos. Isso se refletiu ligeiramente no mercado da CFR China, com vendedores reduzindo os prêmios tanto para a soja dos EUA quanto para a brasileira”, completa. 

               
               
Preço soja referência (chicago ):$/MT 463,61   29/out    
               
Preço Brasil - esalq - Paranaguá: $/MT 474,02   29/out    
               
Preço Brasil - MI - Paranaguá: $/MT 477,43   29/out    
PREÇO REFERÊNCIA FAS PARANAGUÁ NET.  Preço Brasil MI = R$ 170 por saca    
               

Aqui no Brasil, diante de um câmbio que se aproximou de R$ 5,80 por dólar, os preços continuaram subindo. Além disso, a escassez de soja disponível continua pressionando o mercado, embora as indústrias moageiras informem que não há falta de produto em seus estoques.

Assim, o preço médio no balcão gaúcho fechou a última semana de outubro em R$ 156,67/saco, enquanto nas demais praças nacionais os preços registraram R$ 146,00 no Paraná; R$ 159,00 em Campo Novo do Parecis (MT); R$ 172,00 no CIF Maracaju (MS); R$ 150,00/saco em Rio Verde (GO) e Luís Eduardo Magalhães (BA).

Além do câmbio e o baixo excedente interno, o plantio tardio no Centro-Oeste, devido a falta de chuvas, vem provocando preocupações no mercado e mantendo os preços aquecidos. As indústrias de ração indicam não possuírem muitos estoques, deixando o setor das carnes em alerta quanto a disponibilidade do insumo no primeiro bimestre de 2021, já que a nova colheita será atrasada. Neste momento, o Indicador de preços do CEPEA/ESALQ, que toma por base os preços do

Paraná, aponta que na semana do 16 ao 23 de outubro o preço médio ficou em R$ 164,50/saco, sendo a segunda maior média real da série histórica, ficando abaixo apenas do preço verificado em outubro de 2002.

Dito isso, o plantio da soja no Brasil chegou a 23% da área esperada no dia 26/10. O mesmo continua bastante atrasado, havendo expectativas de chuvas importantes nas regiões de semeadura da oleaginosa a partir do dia 10/11. O Estado que mais avançou no plantio da soja foi o Paraná, alcançando 61% da área esperada, porém, são necessárias chuvas importantes nos próximos dias para consolidar a germinação do que foi plantado. (cf. Deral) Na prática, o produtor paranaense corre contra o tempo, procurando plantar o máximo possível antes que a melhor janela se feche, mesmo com pouca chuva.

           
INDICADOR DA SOJA ESALQ/BM&FBOVESPA - PARANAGUÁ  
  VALOR R$ VAR./DIA VAR./MÊS VALOR US$  
29/10/2020 163,82 -0,32% 10,60% 28,49  
28/10/2020 164,34 -1,34% 10,95% 28,62  
27/10/2020 166,57 1,12% 12,46% 29,36  
26/10/2020 164,73 0,30% 11,21% 29,28  
23/10/2020 164,23 0,06% 10,88% 29,18  
           

Já no Mato Grosso o plantio chegou a 25% da área, graças ao retorno das chuvas, porém, no ano passado o mesmo chegava a 65% da área nesta época e a média histórica é de 49%. O custo de produção no Mato Grosso aumentou em 7,5% sobre o ano anterior, ou seja, R$ 290,77/hectare. Os custos só não foram maiores porque muitos produtores locais adiantaram a compra de insumos, escapando de uma desvalorização maior do Real. Neste sentido, naquele Estado os produtores

já compraram 18,7% dos insumos necessários para a safra seguinte, a de 2021/22, o que é um recorde de antecipação. (cf. Imea) 

Enfim, segundo a indústria moageira de soja e a do biodiesel, 2020 deverá fechar com um total de 44,6 milhões de toneladas esmagadas, sendo que até setembro o crescimento do volume triturado foi de 8,3%, com a produção de biodiesel somando 6,4 bilhões de litros, ou seja, 8,5% acima do registrado na mesma época do ano passado.

 

 

 

› FONTE: Floripa News (www.floripanews.com.br)

Comentários