Floripa News
Cota??o
Florian?polis
Twitter Facebook RSS

Análise diaria mercado agricola milho soja açucar

Publicado em 01/12/2020 Editoria: AgroNews Comente!


CORN - MILHO 

Os preços internacionais do milho futuro perderam força ao longo desta terça-feira na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registraram movimentações negativas entre 5,00 e 5,25 pontos ao final do dia.

O vencimento dezembro/20 foi cotado à US$ 4,14 com baixa de 5,00 pontos, o março/21 valeu US$ 4,20 com desvalorização de 5,25 pontos, o maio/21 foi negociado por US$ 4,24 com queda de 5,00 pontos e o julho/21 teve valor de US$ 4,24 com perda de 5,00 pontos.

Esses índices representaram baixas, com relação ao fechamento da última segunda-feira, de 1,19% para o dezembro/20, de 1,41% para o março/21, de 1,17% para o maio/21 e de 1,17% para o julho/21.

miho  
       
  B3 (Bolsa)    
jan/21 75,1 -0,53%  
mar/21 74,97 -0,95%  
mai/21 72,2 -0,41%  
jul/21 68,42 -0,52%  
Última atualização: 18:00 (01/12)  
   

Segundo informações do site internacional Successful Farming, os futuros do milho começaram o mês de dezembro recuando e reagindo ao clima de crescimento da safra sul-americana.

“A combinação de chuvas benéficas na América do Sul e vendas no final do mês resultou em grandes perdas. Com o atraso do plantio na Argentina e a atual proporção milho/soja, alguns agricultores argentinos podem transferir alguns hectares de soja para o milho”, pontua Al Kluis da Kluis Advisors.

De acordo com o que informou a TF Agroeconômica, os preços do milho recuaram em todas as praças do mercado internacional neste início de semana. “Em termos de mercado físico, enquanto as ofertas para o milho americano para embarque de janeiro permaneceram estáticas em 140 c/bu sobre os futuros de março para a primeira metade do mês e 145 c/bu para o segundo semestre, as negociações provavelmente foram concluídas em níveis mais baixos em comparação com a semana passada, à medida que mais volumes fluem para o porto após o término da safra”, comenta.

“Como resultado, os preços de maio no Golfo foram avaliados em baixa de 2 c/bu com os valores na PNW avaliados em 2 c/bu ao longo da curva até agosto”, completa.

Na Argentina, as ofertas para janeiro caíram 3 c/bu para 157 c/bu sobre os futuros de março, com ofertas para fevereiro caindo abruptamente 10 c/bu para 150 c/bu sobre o mesmo contrato, em face da demanda limitada e expectativas para uma nova safra mais forte a partir de março. “E no Brasil, as ofertas para julho foram ouvidas em 93 c/bu sobre o contrato de julho de 2021, queda de 2 c/bu no dia sem ofertas relatadas pelo time da imprensa”, indica. 

“A nova semana começou discretamente na Ucrânia, com o FOB e os preços domésticos mostrando quase nenhuma mudança. As ofertas de milho de carregamento de dezembro a janeiro mantiveram-se estáveis em torno de US$ 235/t FOB HIPP, enquanto os compradores apresentaram ofertas em torno da marca DE 228-$230/t FOB HIPP. Além disso, as ofertas para dezembro carregando milho com documentos chineses foram ouvidas a partir de US $ 238 /t FOB PIPP, enquanto a ideia do comprador foi ouvida também em torno de US $ 230 /t FOB PIPP”, conclui.

Os preços futuros do milho se mantiveram em queda na Bolsa Brasileira (B3) durante toda a terça-feira. As principais cotações registravam movimentações negativas entre 0,14% e 0,70% por volta das 17h07 (horário de Brasília).

O vencimento janeiro/21 era cotado à R$ 75,50 com estabilidade, o março/21 valia R$ 75,42 com perda de 0,36%, o maio/21 era negociado por R$ 72,40 com baixa de 0,14% e o julho/21 tinha valor de R$ 68,30 com desvalorização de 0,70%.

INDICADOR DO MILHO ESALQ/BM&FBOVESPA (Mercado)  
  VALOR R$ VAR./DIA VAR./MÊS VALOR US$  
01/12/2020 77,17 -1,46% -1,46% 14,74  
30/11/2020 78,31 -1,21% -4,37% 14,63  
27/11/2020 79,27 -0,05% -3,20% 14,88  
26/11/2020 79,31 -0,58% -3,15% 14,88  
25/11/2020 79,77 0,13% -2,59% 15  
           

Para o analista de mercado da Brandalizze Consulting, Vlamir Brandalizze, as chuvas dos últimos dias melhoraram a qualidade das lavouras da safra verão, mas algumas perdas já são irreversíveis. “Principalmente no Rio Grande do Sul, que já perdeu 1,5 milhão de toneladas do potencial que teria de 6 milhões. Também tiveram perdas grandes em Santa Catarina, especialmente nas lavouras plantadas mais cedo”, pontua.

O aumento da oferta do milho tributado no estado tem pressionado as referências para baixo nos últimos dias nas praças paulistas. O recuo do dólar também tem reduzido o fluxo dos negócios para as exportações frete às semanas anteriores. Em Campinas-SP, as referências giram ao redor de R$77-78/sc, CIF, 30d.

O Imea (Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária) divulgou relatório apontando que o preço da saca de milho disponível no Mato Grosso recuou 1,29% na última semana e ficou cotada à R$ 63,54. Este movimento foi decorrência dos “poucos negócios no mercado disponível entre produtores e tradings”.

A publicação analisa também como foi e tem sido a relação de troca do cereal para insumos como os fertilizantes, tanto para a safra 2020/21 quanto já para o ciclo 2021/22. Para a safrinha que será plantada no próximo ano, a garantia por insumos fechou o mês anterior em 93%, um avanço de 11 pontos percentuais com relação à safra passada.

Já para o ciclo 2021/22, a comercialização antecipada de insumos já chegou em 7% devido, principalmente, à atratividade da relação de troca entre o preço médio comercializado do cereal e o fertilizante.

“Deste modo, com a atual conjuntura de oferta e demanda aquecida em Mato Grosso, é percebido um momento oportuno para os produtores que procuram adquirir os insumos, a fim de travar os custos para a safra 2021/22 com menor uso de sacas para cada tonelada do fertilizante”, destaca o Imea.

miho
     
Chicago (CME)
CONTRATO US$/bu VAR
DEC 2020 414,75 -5
mar/21 420,75 -5,25
MAY 2021 424 -5
jul/21 424,75 -5
Última atualização: 17:02 (01/12)
     

O milho gaúcho não está prometendo boas notícias para o produtor, tanto que um corretor local está prevendo uma situação “muito feia de ver”. De acordo com a TF Agroeconômica, no Rio Grande do Sul, a situação do milho para o primeiro semestre de 2021 deve ter quebra de 50%, indústrias cobertas somente até janeiro e muitos contratos antecipados sem a certeza se terá ou não produto. 

“Os compradores locais continuam tentando se abastecer no Mato Grosso do Sul, tendo sido oferecidos$ 88,00 CIF com 12% incluso, mas os vendedores insistem em R$ 89,00 e não houve reportes de negócios”, comenta. 

Em Santa Catarina o milho paraguaio é competitivo, mas os negócios não desenvolvem. “Os motivos são a lentidão na fronteira e os créditos de ICMS e PIS/COFINS auferidos pelas empresas brasileiras quando compram de outros estados do país, mas não de outro país. Os agricultores também estão preocupados em firmar negócios futuros de milho porque a seca atinge com força o Oeste do Estado”, completa. 

No Paraná, os vendedores começam a recuar suas pedidas, mas, mesmo assim, o mercado continua travado. “Os vendedores recuaram as suas pedidas de R$ 80,00 para a faixa entre R$ 77,00 e R$ 80,00 nesta semana, mas o mercado continua travado. Em Paranaguá milho de safra velha continua sem indicação e para safra nova indicação de R$ 72,00 para fevereiro/março de 2021. Para safra nova continua a R$ 66,00 para março/abril de 2021 posto fábrica. As últimas cotações para milho Safrinha de 2021, CIF Paranaguá foram, para Entrega 15/06 a 15/07 com pagamento em 30/07/21 R$ 59,60; para entrega em agosto com pagamento em 05/09/21 R$ 60,20”, indica.
 

SUGAR - AÇUCAR

Mar NY world sugar 11 (SBH21) on Tuesday closed unchanged, and Mar London white sugar 5 (SWH21) settled unchanged as well.

Sugar prices on Tuesday were little changed. There was some light short-covering in sugar futures Tuesday after the Brazilian real rallied sharply against the dollar. The real jumped +2.36% to a 3-week high against the dollar on Tuesday, which discourages export selling Brazil&39;s sugar producers and is supportive of sugar prices.

INDICADOR DO AÇÚCAR CRISTAL ESALQ/BVMF - SANTOS
  VALOR R$ VAR./DIA VAR./MÊS VALOR US$  
01/12/2020 109,31 -1,34% -1,34% 20,88  
30/11/2020 110,79 0,82% 10,12% 20,7  
27/11/2020 109,89 0,28% 9,22% 20,62  
26/11/2020 109,58 0,14% 8,92% 20,56  
25/11/2020 109,43 0,43% 8,77% 20,58  
Nota: Reais por saca de 50 kg, com ICMS (7%) .      
  media R$ 109,80      
  valor saco $ 20,99      
  valor ton $ 419,89  porto santos - FAS - icmusa 130 - 180
                          com 7% icms  

On Monday, sugar prices fell to 3-week lows on signs of ample sugar production in Brazil. Unica reported last Wednesday that Brazil&39;s Center-South sugar production in the first half of November rose +57 y/y to 1.242 MMT, above expectations of 1.120 MMT. The percentage of cane used for sugar rose to 41.74% in 2020/21 28.42% in 2019/20.

Another negative factor for sugar is the outlook for more sugar supplies India. Meir Commodities India Pvt last Tuesday projected that India would export 1.5-2.0 MMT of sugar in 2020/21 without any government subsidy since neighboring countries can be expected to purchase Indian sugar rather than Brazilian sugar because of cheaper freight costs.

Sugar mills in India have held back exports as they await news on government subsidies. The World Trade Organization (WTO) is expected to rule on the legality of India&39;s subsidies to its sugar exporters sometime this month after Brazil and Australia raised objections to the WTO about the subsidies. The ruling by the WTO has been delayed July due to the Covid pandemic.

Sugar prices had trended higher over the past seven weeks up to a 9-1/4 month high Nov 17 on concern that Brazil&39;s dry conditions may curb sugarcane yields and reduce Brazil&39;s sugar production. Irregular rain in Brazil&39;s sugar-growing areas is keeping soil moisture levels below normal. Maxar recently said that Brazil&39;s sugar-growing regions had received only 5%-25% of average rain in the past few months, leaving crops "extremely dry." Also, a La Nina weather pattern could lead to prolonged excessive dryness in Brazil that cuts sugarcane yields.

Sugar prices also have support after Hurricane Iota slammed into Central America on Nov 16, bringing heavy rains and damage to sugar crops and infrastructure in Nicaragua, Honduras, and Guatemala.

A negative for sugar prices was the Nov 19 forecast the USDA&39;s Foreign Agricultural Service (FAS) that India&39;s 2020/21 sugar production will climb +16.8 % y/y to 33.76 MMT and that India&39;s sugar exports will climb +3.5% to 6.0 MMT.

In a bullish factor, ISO on Nov 17 cut its global 2020/21 sugar production estimate and increased its global 2020/21 sugar deficit estimate. ISO projects that global 2020/21 sugar production will increase by +0.9% y/y to 171.1 MMT. ISO also said the global 2020/21 sugar market would fall into deficit by -3.5 MT a +1.86 MMT surplus in 2019/20.

In another bullish factor, France&39;s Agricultural Ministry on Nov 16 cut its 2020 French sugar-beet production estimate to a 19-year low of 27.2 MMT an Oct estimate of 30.5 MMT due to drought. France is the largest sugar producer in the European Union.

Sugar prices are also seeing support the smaller sugar crop in Thailand, the world&39;s second-biggest sugar exporter, which has been decimated by drought. The Thailand Sugar Mills Corp said Oct 2 that Thailand&39;s 2020/21 sugar production would fall -13% y/y to an 11-year low of 7.2 MMT as dry weather this year ravaged cane plantations.

 

SOYBEAN - SOJA 

Os futuros da soja negociados na Bolsa de Chicago operam com estabilidade nesta manhã de terça-feira (1). O mês de dezembro começa com uma correção depois das perdas intensas registradas no pregão anterior que, como explicam analistas e consultores, trata-se de um movimento pontual. 

Assim, por volta de 7h20 (horário de Brasília), as posições mais negociadas subiam entre 0,25 e 2,75 pontos, levando o janeiro/21 a ser negociado a US$ 11,70 e o março a US$ 11,71 por bushel, mas fecharam o dia em leve queda.

SOJA - CME - CHICAGO  
CONTRATO US$/bu Variação (cts/US$) Variação (%)  
jan/21 11,62 -6,5 -0,56  
mar/21 11,63 -6,5 -0,56  
mai/21 11,61 -6,75 -0,58  
jul/21 11,585 -6,25 -0,54  
Última atualização: 17:01 (01/12)    
         

Em evidência, permanecem o clima na América do Sul e a demanda intensa. As condições começam a melhorar em diversas regiões, com chuvas melhor distribuídas e de melhor volume depois de intensos dias de tempo seco.

Enquanto isso, a demanda permanece forte, porém menos frequente, já que a China está bem coberta e vai agora administrando melhor suas novas compras. 

O mercado agora precisa de novas notícias para voltar a se movimentar de forma mais agressiva e muito depende do clima na América do Sul e do desenvolvimento das lavouras. 

A demanda chinesa ainda esteve em grande parte tranquila nesta terça-feira, uma vez que as margens de esmagamento permaneceram estreitas, devido à lenta demanda doméstica de farinha de soja. As informações foram divulgadas pela TF Agroeconômica.

  soja US$ 5,23  
         
  B3 (Bolsa)      
CONTRATO US$/sc R$/sc VAR  
nov/20 25,67 134,2541 -0,77%  
     
Última atualização: 16:14 (01/12)  
         

“Foi ouvido interesse de compra para nova safra brasileira para embarques entre fevereiro e maio de 2021 CFR China. As ofertas para fevereiro foram de 190 c/bu sobre os futuros de março versus bids em 195 c/bu, enquanto as ofertas para envio de março foram relatadas a 145 c/bu contra bids a 152 c/bu sobre os mesmos futuros. Os embarques de abril e maio foram licitados em 140 c/bu e 143 c/bu sobre os futuros de maio, respectivamente, ambos 4 c/bu abaixo do nível oferecido”, disse.

A demanda por embarques no primeiro mês estava ausente e o indicador APM-6 CFR China para janeiro de 2021 o envio da opção mais barata foiavaliado em 215 c/bu em relação aos futuros de janeiro, o que equivale a US$ 509,75/t, US$ 7/t abaixo, no dia em que os futuros da CBOT estiveram mais fracos. “Em termos FOB, houve alguns negócios no Brasil que apontaram prêmios mais altos, particularmente para os embarques de junho e julho, embora os preços fixos ainda tenham caído devido à forte queda nos futuros. O embarque de fevereiro FOB Paranaguá foi oferecido em 100 e 118 c/bu, com março em 76 contra 70 c/bu sobre o contrato de março. Houve negócios no mercado de Paper de Paranaguá para Abril a +66K, Junho +91N e Julho a +100N. Junho foi oferecido a 93 contra 86 c/bu com julho em 103 contra 96 c/bu sobre os futuros de julho”, completou.

“Em uma base de preço fixo, fevereiro foi marcado em US $ 473/mt, com março em $459/t FOB Paranaguá. Santos foi $4/t mais alto. Os prêmios para a soja dos EUA foram estáticos em uma barca CIF e carga FOB, deixando as cargas de preço fixo em US $ 456,25/t para dezembro $458.25/t para janeiro FOB US Gulf”, conclui.

SOJA - PREMIO  
CONTRATO VALOR  
dez/20 250  
mar/21 65  
abr/21 58  
mai/21 60  
Última atualização: 01/12/2020  
     

O mercado internacional de subprodutos da soja fechou o primeiro dia desta semana com alta do óleo de soja na China e baixa na Europa, de acordo com informações que foram divulgadas pela TF Agroeconômica. “No porto chinês de Dallian a soja avançou para US$ 854,93 contra US$ 841,07 do dia anterior; o farelo de soja avançou para US$ 479,62, como os US$ 479,33 do dia anterior e o óleo de soja avançou para US$ 1.207,42 como os US$ 1.190,79 do dia anterior”, informa.

“Em Rotterdam, o principal porto não-China de demanda de soja e subprodutos, o preço do primeiro dia do mês para soja-grão recuou para US$ 523,50/t contra os US$ 523,30/t do dia anterior; o pellets de soja avançou para US$ 479,00 contra os US$ 475,00 do dia anterior, afloat”, comenta.

“Os preços dos óleos vegetais, para o primeiro dia do mês, terminaram o dia cotados a: óleo de canola avançou para US$ 1.110,85/t contra US$ 1.087,61/t do dia anterior; o óleo de linhaça foi cotado em US$ 1.087,50/t contra os US$ 1.085,00/t do dia anterior; o óleo de soja recuou para US$ 1.021,26/t contra $ 1.027,85/t do dia anterior; o óleo de girassol recuou para US$ 1.185,00 contra os US$ 1.190,00 do dia anterior e o óleo de palma recuou para US$ 885,00 contra os US$ 890,00/t do dia anterior”, completa a consultoria.

INDICADOR DA SOJA ESALQ/BM&FBOVESPA - PARANAGUÁ  
  VALOR R$ VAR./DIA VAR./MÊS VALOR US$  
01/12/2020 160,67 -0,68% -0,68% 30,7  
30/11/2020 161,77 -0,33% -1,08% 30,22  
27/11/2020 162,31 0,66% -0,75% 30,46  
26/11/2020 161,24 -0,80% -1,41% 30,25  
25/11/2020 162,54 0,38% -0,61% 30,56  
           

Na Índia, maior importador de óleos vegetais do Mundo, o óleo de soja se manteve em US$ 1.121,00 como os US$1.121,00/t do dia anterior, em Nova Delhi. Além disso, a atividade industrial da China tem se expandido no ritmo mais forte em mais de 3 anos, segundo o que nos mostrou um PMI oficial.

Os preços da soja continuam recuando no Rio Grande do Sul, de acordo com o que informou a TF Agroeconômica. Desta vez, foram, em média, mais 1,33% neste início de semana. “No mercado futuro, a cotação também acompanhou a queda do dólar e recuou R$ 2,00/saca para R$ 145,00, para entrega e pagamento em maio de 2021, no porto gaúcho de Rio Grande”, comenta.

“Este valor representaria algo ao redor de R$ 139,00/saca no mercado de lotes do interior e algo como R$ 130,00 para o agricultor. Mesmo assim, este último valor teria embutido cerca de 47,72% de lucro para o produtor de soja, algo bem significativo. Nossa recomendação seria a de vender mais algum lote, além dos 50% que já foram vendidos. Há, porém, o receio com a seca que assola o Oeste do Estado e, com ela, a preocupação com o tamanho da produção para 2021”, completa.

No Paraná, o principal fato do início da semana foi o preço para maio de 2021, que está cotado  a R$ 138,00 em Ponta Grossa. “Mercado continua sem negócios para a safra velha, todos os agentes do mercado se concentram na comercialização da safra nova. Só há cotações para as safras 2020/21 e 2021/22: Para safra nova, posto Ferrovia, em Maringá, para entrega até 20/03 com pagamento em 15/04/21 R$ 140,20”, indica.

“Em Paranaguá só houve cotações para o mercado futuro: para 2021, entrega até 20/03 com pagamento 15/04/21 R$ 146,10; entrega abril com pagamento 30/04/21 R$ 145,00; entrega maio com pagamento 30/05/21 R$ 145,20; entrega junho com pagamento 30/06/21 R$ 146,00 e entrega julho com pagamento 30/07/21 R$ 147,10. Para 2022 entrega fevereiro com pagamento 30/03/22 R$ 127,10 e entrega março com pagamento 30/04/22 R$ 127,10”, conclui.

             
Preço soja referência (chicago ):$/MT 518,82   01/dez  
             
Preço Brasil - esalq - Paranaguá: $/MT 512,01   01/dez  
             
Preço Brasil - MI - Paranaguá: $/MT 506,69   01/dez  
PREÇO REFERÊNCIA FAS PARANAGUÁ NET.  Preço Brasil MI = R$ 159 por saca  
             

A consultoria StoneX divulgou uma nova estimativa para produção de soja da safra 2020/21, ainda com os atrasos do plantio, a produção de soja deverá alcançar 133,9 milhões de toneladas. O mês de dezembro vai ser determinante para o resultado final. Caso o padrão de chuvas se mostre mais regular e em bons volumes, a perspectiva de uma safra recorde deve se consolidar.

De acordo com as informações divulgadas pela StoneX, a produção maior foi motivada pelo crescimento da área plantada, de 180 mil hectares, frente a novembro, com o total nacional alcançando 38,3 milhões de hectares. Por outro lado, houve leve recuo da produtividade média, para 3,49 toneladas por hectare, resultado da revisão nas perspectivas para o Mato Grosso, com o rendimento esperado caindo de 3,48 para 3,45 toneladas por hectare.

Destaca-se que algumas áreas do estado registraram a necessidade de replantio, devido à falta de umidade.

A consultoria salientou que a demanda deve continuar aquecida, em função do real desvalorizado, da elevada demanda internacional pelo grão brasileiro e da procura firme proveniente da indústria de carnes doméstica. 

 

 

› FONTE: Floripa News (www.floripanews.com.br)

Comentários